Editorial

Escrito por Resistência Camponesa
Publicado em 16/05/2008
Categoria: Edição nº 16
A história da luta pela terra em nosso país tem início com a invasão portuguesa em 1500 e a resistência dos povos indígenas contra a dominação e pela defesa de seu território. Nos séculos seguintes foram os negros africanos que se levantaram contra a escravidão dos senhores de terras organizando os Quilombos.

No século XIX e início do XX ocorreram lutas pela terra importantes como Canudos, na Bahia (1870-1897) e Contestado em Santa Catarina (1912-1916). Outros movimentos ocorreram no nordeste como Caldeirão, Pau de Colher e também o cangaço como forma de resistência dos camponeses contra a miséria e opressão dos "coronéis" latifundiários.

A partir de 1940 surgem lutas com um caráter político mais definido, as mais importantes foram Trombas e Formoso, em Goiás (1952-1958) e a de Porecatu, no Paraná (1957).

No final dos anos 50 surgem no nordeste as Ligas Camponesas que organizam dezenas de milhares de camponeses na tomada de engenhos. As Ligas Camponesas tiveram um importante papel na luta pela terra e seu crescimento colocou a reforma agrária como questão nacional de primeira ordem e radicalizaram a luta de classes no país com a palavra de ordem "reforma agrária na lei ou na marra".

Já na década de 80 e início dos anos 90 a retomada da luta pela terra dá origem a sindicatos de trabalhadores rurais e um novo impulso nas tomadas de terras. Neste período ocorrem lutas importantes como Corumbiara (1995) e Eldorado dos Carajás (1996).

Portanto o problema agrário em nosso país é um problema nacional nunca resolvido e que demanda superação. Ao contrário do que ocorreu nos países desenvolvidos, onde a revolução burguesa concluiu a reforma agrária, aqui a burguesia manteve a estrutura latifundiária intacta.

Segundo dados do IBGE, dos 5,5 milhões de propriedades tituladas, 50% pertencem a 23 mil latifundiários o que corresponde a apenas 1% de todos os proprietários. O total de terras tituladas está em torno de 380 milhões de hectares e apenas 21% delas são pequenas propriedades e pertencem a 90% do total de proprietários.

O Brasil possui uma das maiores concentrações de terras do mundo e se acentua cada vez mais, à medida que a monocultura para exportação concentra as melhores terras em suas mãos expulsando os trabalhadores do campo.

A propaganda do governo com os recordes na exportação de grãos escondem a dura realidade de que com o agronegócio o Brasil continua como há 5 séculos atrás, ou seja, mero fornecedor de matéria prima barata.

A Amazônia é a última fronteira agrícola que resta para a expansão do plantio da soja e criação de gado, ao mesmo tempo existe forte cobrança internacional pela sua conservação para que potências estrangeiras explorem todas suas potencialidades. Neste ponto se chocam interesses de poderosos grupos na disputa pela exploração da floresta e do subsolo da Amazônia.

Os ataques contra os camponeses perpetrados pela imprensa, bando de pistoleiros acobertados pela polícia, todos a soldo do latifúndio, além dos órgãos repressivos e judiciários de um Estado sob o controle dessa mesma classe parasita, não podem ser analisados fora do contexto de agudização dessas contradições entre as frações das classes dominantes sobre o problema da Amazônia.

A campanha caluniosa visa desqualificar o conflito como problema agrário do país, criminalizando os que lutam pela terra para justificar todo tipo de ataques e matanças contra os camponeses que vivem e trabalham nesta região. No fundo querem a expulsão dos camponeses da Amazônia, pois sabem que estes são os únicos capazes de defendê-la e que ameaçam seus interesses.

De nada adianta tratar a luta pela terra como caso de polícia, enquanto não distribuírem as terras a quem nela trabalha os camponeses continuarão lutando e o conflito ganhará proporções gigantescas e mobilizará milhões de camponeses em todo o país clamando pela Revolução Agrária.

   

Matérias da edição nº 20:

Editorial: O Brasil precisa é de uma grande Revolução

IMAGE
Passados seis meses de seu segundo mandato, Dilma/Lula/PT estão vendo cair por terra as máscaras que usaram para enganar o povo há mais de 20 anos. Fizeram tudo que disseram que não fariam: cortaram direitos trabalhistas como pensão, seguro desemprego e aposentadoria, reduziram o orçamento de educação e saúde. E como resultado, aprofundou a grave crise política e...
Companheiro Paulo Justino: presente na luta!

IMAGE
No dia 1º de maio, no distrito de Rio Pardo, mais um camponês foi covardemente assassinado. Paulo Justino Pereira era presidente de uma associação que lutava pelos direitos dos camponeses da região, principalmente terra para mais de 250 famílias despejadas há dois anos. Esta foi a principal reivindicação que ele apresentou numa reunião com Gercino José, o Ouvidor...
Camponeses fecham a BR e apontam necessidade de uma grande Revolução

IMAGE
Na madrugada do dia 9 de abril camponeses de diversas áreas organizados pela LCP fecharam a BR-364 em Jaru. O protesto foi contra os aumentos e medidas anti-povo decretados desde o início do ano pelo governo Dilma/PT e também exigiu regularização das áreas, energia elétrica, estradas e escolas. A manifestação também lembrou o dia 9 de abril como dia dos heróis do...
9 de Abril: DIA DOS HERÓIS DO POVO BRASILEIRO

IMAGE
9 de Abril: DIA DOS HERÓIS DO POVO BRASILEIRO Ari, Alcindo, Enio, Ercílio, José Marcondes, Nelci, Odilon, Maria Bonita, Oliveira, Jesus, Darli   1995 Honra e glória aos heróis do povo brasileiro!
Todos à celebração do 9 de agosto!

IMAGE
No dia 9 de agosto de 2015 completam-se 20 anos da heroica Batalha de Santa Elina, em Corumbiara. Nesse ano também se completam 5 anos da sua retomada e conquista. Depois de muita luta, hoje essas terras se encontram divididas em pequenos lotes onde centenas de famílias tiram seu sustento e movimentam o comércio da região. A LCP e os camponeses que retomaram estas terras,...
Juiz ordena despejo violento em Machadinho

IMAGE
No último dia 27 de maio, mais de 30 famílias foram despejadas do acampamento Cajueiro 1, localizado na fazenda Paredão, na RO-257, em Machadinho D’Oeste. Participaram da ação vergonhosa policiais da PM, GOE, do serviço de inteligência, da Polícia Civil e Corpo de Bombeiros, fortemente armados, em várias viaturas e até num helicóptero. Os policiais obrigaram todos...
   
     
   
» Todo o conteúdo pode ser copiado e reproduzido desde que citada a fonte «