Editorial

Escrito por Resistência Camponesa
Publicado em 12/03/2010
Categoria: Edição nº 18
O ano de 2009 foi, sem dúvida, marcado por um aprofundamento da criminalização do movimento camponês em todo país, levada a cabo pelo velho e podre Estado brasileiro sob a gerência de Luís Inácio, através principalmente da "Operação Paz no Campo" encabeçada pela Ouvidoria Agrária com Gercino José da Silva Filho à frente, das ações do Poder Judiciário puxado pelo STF e seu presidente Gilmar Mendes e do Poder Legislativo tendo na senadora Kátia Abreu (PFL/DEM) a mais desbocada representante, tudo instigado e acobertado de forma sistemática pela imprensa mentirosa, manipuladora e sensacionalista.

Na região amazônica, particularmente no Pará e em Rondônia, que esta repressão se fez sentir de forma mais intensa através da operação Arco de Fogo que atuou em várias áreas dos dois estados, atacando o que chamam de "crimes ambientais" atingindo principalmente as pequenas e médias cidades. No caso do Pará a operação "Paz no Campo" dirigida pela Ouvidoria Agrária e pelo governo de Ana Julia Carepa (PT) resultou na morte de 13 camponeses, desde 2008. Recentemente outra investida do governo federal, agora com o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes a frente, foi um mutirão para despejar dezenas de acampamentos na região de Marabá/Pará. No Rio Grande do Sul e Santa Catarina, as ações do judiciário e da polícia por colocar na ilegalidade o MST e na cadeia seus integrantes, bem como a histeria da imprensa tem se dado através de sucessivos episódios.

Enquanto isto nenhuma palavra ou ato sobre toda a brutalidade e genocídio praticada pelos bandos armados do latifúndio, que sempre em cooperação e acobertados pela polícia, cometem assassinatos e desaparições de camponeses e suas lideranças. Da mesma forma sobre as ações sistemáticas movidas pelo aparelho policial com despejos violentos, prisões, espancamentos, seguidas de roubo ou destruição de casas, roças e criações dos camponeses. A não ser para justificar tais crimes, instigar sua prática e criminalizar o povo em luta.

Em Rondônia a aplicação da política ambiental criminosa a serviço do imperialismo levou a população de várias cidades a protestar contra os abusos e humilhações do Ibama e Força Nacional de Segurança. Principalmente em Rio Pardo, Buritis e Extrema, as mais atingidas pelo desemprego, as revoltas contra essas ações covardes vem impondo derrotas aos seus objetivos imediatos de reprimir e intimidar a população.

O aumento da organização de bandos armados e grupos paramilitares a serviço do latifúndio são ataques vingativos ao avanço da Revolução Agrária. A prisão de um grupo de extermínio em Jaci-Paraná, formado por policiais militares que assassinaram pelo menos cinco camponeses e ameaçaram outros dois em União Bandeirantes, é um exemplo de como o aparato militar está a serviço dos grandes proprietários de terra e de como utilizam de forma sistemática e cada vez mais a tortura e assassinatos para garantir seus interesses. Ao contrário do que afirmam, que policiais atuando como pistoleiros seriam casos isolados ou uma exceção, na verdade é uma regra. Seguramente este bando faz parte do mesmo esquema que seqüestrou, torturou e assassinou covardemente dois coordenadores da LCP em Buritis, em dezembro passado, a mando do latifundiário grileiro Caldato.

O fato é que mesmo diante de toda esta repressão os camponeses em várias partes do país, ainda que de forma espontânea e com pouca organização, persistem nas tomadas de terra e aplicam a linha de cortar a terra imediatamente, sem esperar pelo Incra e passando por cima das direções oportunistas, principalmente do MST.

O avanço da luta pela terra e a completa falência da chamada "reforma agrária do governo" e as crescentes revoltas populares que explodem em todos os cantos do país estão na base dos ataques e campanhas de criminalização, perseguições, prisões e assassinatos ao movimento camponês combativo. São sinais de que a contradição entre latifundiários e camponeses pobres sem terra longe de amenizar segue se agudizando. Em ano eleitoral e de crise econômica os grandes latifundiários lutarão entre si, cada grupo tentando se manter no controle do gerenciamento dos governos estaduais e federal.

Em Rondônia Raupp/Confúcio, Cassol, Gurgacz/PT todos querem o governo estadual para garantir os interesses econômicos dos grupos que representam, jamais os interesses do povo.

O assassinato brutal dos camponeses Élcio e Gilson em Rio Alto são parte de uma nova ofensiva do latifúndio para deter a luta pela terra em Rondônia. Mas longe disso, só aumentam ainda mais o ódio, a decisão e coragem dos camponeses pobres para erguer ainda mais alto a bandeira da Revolução Agrária para destruir o latifúndio parte por parte em todo o país, cortando e entregando as terras, produzindo e defendendo suas preciosas conquistas com unhas e dentes.
   

Matérias da edição nº 20:

Editorial: O Brasil precisa é de uma grande Revolução

IMAGE
Passados seis meses de seu segundo mandato, Dilma/Lula/PT estão vendo cair por terra as máscaras que usaram para enganar o povo há mais de 20 anos. Fizeram tudo que disseram que não fariam: cortaram direitos trabalhistas como pensão, seguro desemprego e aposentadoria, reduziram o orçamento de educação e saúde. E como resultado, aprofundou a grave crise política e...
Companheiro Paulo Justino: presente na luta!

IMAGE
No dia 1º de maio, no distrito de Rio Pardo, mais um camponês foi covardemente assassinado. Paulo Justino Pereira era presidente de uma associação que lutava pelos direitos dos camponeses da região, principalmente terra para mais de 250 famílias despejadas há dois anos. Esta foi a principal reivindicação que ele apresentou numa reunião com Gercino José, o Ouvidor...
Camponeses fecham a BR e apontam necessidade de uma grande Revolução

IMAGE
Na madrugada do dia 9 de abril camponeses de diversas áreas organizados pela LCP fecharam a BR-364 em Jaru. O protesto foi contra os aumentos e medidas anti-povo decretados desde o início do ano pelo governo Dilma/PT e também exigiu regularização das áreas, energia elétrica, estradas e escolas. A manifestação também lembrou o dia 9 de abril como dia dos heróis do...
9 de Abril: DIA DOS HERÓIS DO POVO BRASILEIRO

IMAGE
9 de Abril: DIA DOS HERÓIS DO POVO BRASILEIRO Ari, Alcindo, Enio, Ercílio, José Marcondes, Nelci, Odilon, Maria Bonita, Oliveira, Jesus, Darli   1995 Honra e glória aos heróis do povo brasileiro!
Todos à celebração do 9 de agosto!

IMAGE
No dia 9 de agosto de 2015 completam-se 20 anos da heroica Batalha de Santa Elina, em Corumbiara. Nesse ano também se completam 5 anos da sua retomada e conquista. Depois de muita luta, hoje essas terras se encontram divididas em pequenos lotes onde centenas de famílias tiram seu sustento e movimentam o comércio da região. A LCP e os camponeses que retomaram estas terras,...
Juiz ordena despejo violento em Machadinho

IMAGE
No último dia 27 de maio, mais de 30 famílias foram despejadas do acampamento Cajueiro 1, localizado na fazenda Paredão, na RO-257, em Machadinho D’Oeste. Participaram da ação vergonhosa policiais da PM, GOE, do serviço de inteligência, da Polícia Civil e Corpo de Bombeiros, fortemente armados, em várias viaturas e até num helicóptero. Os policiais obrigaram todos...
   
     
   
» Todo o conteúdo pode ser copiado e reproduzido desde que citada a fonte «