Editorial: O Brasil precisa é de uma grande Revolução

Escrito por Resistência Camponesa
Publicado em 08/06/2015
Categoria: Edição nº 20
Passados seis meses de seu segundo mandato, Dilma/Lula/PT estão vendo cair por terra as máscaras que usaram para enganar o povo há mais de 20 anos. Fizeram tudo que disseram que não fariam: cortaram direitos trabalhistas como pensão, seguro desemprego e aposentadoria, reduziram o orçamento de educação e saúde. E como resultado, aprofundou a grave crise política e econômica do país, causada pela desindustrialização e desnacionalização da economia. O Brasil hoje é simples exportador de matéria-prima barata.

Os bancos, as grandes multinacionais, empreiteiras e os latifúndios são favorecidos com muito dinheiro, enquanto o povo amarga o aumento do desemprego, aumento do custo de vida e endividamento. A grave crise lança operários, professores, garis, caminhoneiros em greves cada vez mais combativas. A única saída para os trabalhadores é aumentar os protestos contra as medidas anti-povo e os cortes de direitos feitos por Dilma/PT.

No campo a situação é mais grave. A gerência petista investe milhões no chamado agronegócio, mas dá apenas esmolas para a agricultura familiar, responsável por mais de 70% dos alimentos servidos na mesa dos brasileiros. A reforma agrária falida do governo está paralisada e os camponeses que não esperam e tomam terras por conta, são brutalmente reprimidos.

Em Rondônia, camponeses em luta pela terra sofrem violentos ataques de bandos de pistoleiros fortemente armados, a mando do latifúndio. Em vários casos, policiais militares atuam nestes bandos. Só em 2015, cerca de 10 camponeses e ativistas foram assassinados em Buritis e Rio Pardo. O caso mais recente foi de Paulo Justino, líder de uma associação camponesa de Rio Pardo, assassinado logo após participar de uma reunião da Ouvidoria Agrária Nacional em Porto Velho. É o mesmo “roteiro da morte” onde vários outros camponeses foram mapeados para depois serem mortos.

Em maio, o acampamento Cajueiro 1 sofreu o despejo mais violento dos últimos meses.


Revolução Agrária, esperança de um país melhor

Irmãos de causa dos camponeses, os povos indígenas enfrentam a mesma repressão e elevam sua organização e luta.

Camponeses se organizam, tomam latifúndios, cortam as terras por conta, distribuem os lotes entre si e iniciam a produção. É o que fizeram as famílias das áreas Canaã, Raio do Sol e Renato Nathan 2, em Ariquemes, e das áreas Zé Bentão, Maranatã e Renato Nathan, na antiga fazenda Santa Elina, em Corumbiara. São centenas de famílias que vivem com dignidade do seu próprio suor, ajudam a abastecer os mercados e a desenvolver o comércio das cidades vizinhas. Depois que cada família está em seu lote, a luta segue por melhores estradas, energia elétrica, maquinário, assistência técnica e preço justo para a produção camponesa, escolas e postos de saúde nas áreas. E uma das lutas mais importantes é pelo funcionamento das Assembleias Populares, onde os camponeses debatem e decidem sobre todos os problemas que lhes dizem respeito.

Esta é a Revolução Agrária, que avança pelos quatro cantos do Brasil e inspira camponeses sem terra, desempregados nas cidades ou explorados como meeiros em terra dos outros, camponeses acampados, estudantes e trabalhadores em greve nas grandes cidades.

É tarefa de todo o movimento camponês e seus apoiadores responder à nova ofensiva do latifúndio, com mais organização e luta combativa por cada direito dos camponeses. É preciso mobilizar centenas de pessoas nas cidades e linhas para tomarmos todas as terras dos latifundiários. É necessário ganharmos o apoio dos pequenos e médios comerciantes e demais simpatizantes.

As transformações de que o Brasil realmente precisa nunca serão realizadas pelas eleições podres e corruptas ou através de reformas de fachada. Só o povo organizado e lutando de forma independente e combativa pode conquistar seus direitos, destruir este sistema de miséria, injustiça e opressão e construir um novo país.

   

Matérias da edição nº 20:

Editorial: O Brasil precisa é de uma grande Revolução

IMAGE
Passados seis meses de seu segundo mandato, Dilma/Lula/PT estão vendo cair por terra as máscaras que usaram para enganar o povo há mais de 20 anos. Fizeram tudo que disseram que não fariam: cortaram direitos trabalhistas como pensão, seguro desemprego e aposentadoria, reduziram o orçamento de educação e saúde. E como resultado, aprofundou a grave crise política e...
Companheiro Paulo Justino: presente na luta!

IMAGE
No dia 1º de maio, no distrito de Rio Pardo, mais um camponês foi covardemente assassinado. Paulo Justino Pereira era presidente de uma associação que lutava pelos direitos dos camponeses da região, principalmente terra para mais de 250 famílias despejadas há dois anos. Esta foi a principal reivindicação que ele apresentou numa reunião com Gercino José, o Ouvidor...
Camponeses fecham a BR e apontam necessidade de uma grande Revolução

IMAGE
Na madrugada do dia 9 de abril camponeses de diversas áreas organizados pela LCP fecharam a BR-364 em Jaru. O protesto foi contra os aumentos e medidas anti-povo decretados desde o início do ano pelo governo Dilma/PT e também exigiu regularização das áreas, energia elétrica, estradas e escolas. A manifestação também lembrou o dia 9 de abril como dia dos heróis do...
9 de Abril: DIA DOS HERÓIS DO POVO BRASILEIRO

IMAGE
9 de Abril: DIA DOS HERÓIS DO POVO BRASILEIRO Ari, Alcindo, Enio, Ercílio, José Marcondes, Nelci, Odilon, Maria Bonita, Oliveira, Jesus, Darli   1995 Honra e glória aos heróis do povo brasileiro!
Todos à celebração do 9 de agosto!

IMAGE
No dia 9 de agosto de 2015 completam-se 20 anos da heroica Batalha de Santa Elina, em Corumbiara. Nesse ano também se completam 5 anos da sua retomada e conquista. Depois de muita luta, hoje essas terras se encontram divididas em pequenos lotes onde centenas de famílias tiram seu sustento e movimentam o comércio da região. A LCP e os camponeses que retomaram estas terras,...
Juiz ordena despejo violento em Machadinho

IMAGE
No último dia 27 de maio, mais de 30 famílias foram despejadas do acampamento Cajueiro 1, localizado na fazenda Paredão, na RO-257, em Machadinho D’Oeste. Participaram da ação vergonhosa policiais da PM, GOE, do serviço de inteligência, da Polícia Civil e Corpo de Bombeiros, fortemente armados, em várias viaturas e até num helicóptero. Os policiais obrigaram todos...
   
     
   
» Todo o conteúdo pode ser copiado e reproduzido desde que citada a fonte «