LCP do Norte de Minas e Bahia prepara seu 7º Congresso

Escrito por LCP do Norte de Minas e Bahia
Publicado em 21/08/2012
Categoria: Notícias
Manifestação em Manga - ArquivoManifestação em Manga - ArquivoNos dias 11 e 12 de agosto, na cidade de Manga-MG, concluímos a 1ª etapa de nosso Congresso: o Encontro de Delegados. Faixas, bandeiras vermelhas e cartazes enfeitavam o ginásio onde se realizava o encontro. Os companheiros e companheiras que há meses realizavam atividades se dividiram nas tarefas de organização, um clima de companheiros e certeza da importância das discussões e decisões tomadas. Foram feitas campanhas de arrecadação, cada delegação batalhou pelo transporte e no dia foram recebidas contribuições em alimentos, produção dos próprios camponeses e em dinheiro.

Participaram mais de 90 companheiros e companheiras representantes eleitos em reuniões e debates realizados nas áreas de atuação da LCP com participação expressiva da juventude e das companheiras, contando também com a participação de convidados de comunidades remanescentes de quilombolas, representantes da luta pela terra de outras regiões do país, companheiros da Liga Operaria, uma importante delegação do Sindicato Marreta, comitê de apoio ao movimento camponês e Movimento Feminino Popular.

Na abertura do Encontro de Delegados saudamos os camponeses que tombaram na luta, em especial o Professor Renato, assassinado cruelmente em Rondônia no dia 9 de abril, e os 17 anos da resistência de Corumbiara – RO, marco decisivo na construção da Liga dos Camponeses Pobres. A perseguição ao movimento camponês, a criminalização da pobreza, o aumento da violência contra a luta camponesa e a necessidade do fortalecimento de nossa organização marcaram diversos momentos dos debates. Os vídeos exibidos na noite do 1º dia expressaram a decisão dos camponeses de lutar, produzir, viver e defender as terras conquistadas; a homenagem ao Professor Renato; e a história da construção da Liga no Norte de Minas e Bahia.

Realizamos debates em grupos contando com ampla participação dos camponeses sobre a situação que vivem hoje, a falência da reforma agrária e o papel que tem cumprido a gerência Dilma/Lula/PT no cerco ao movimento camponês e à luta pela terra; aprofundando na compreensão das causas dessa situação no aumento da concentração de terras nas mãos dos latifundiários e do papel desse velho Estado serviçal do imperialismo.

Os camponeses do Novo Plano, assentamento atingido por uma tempestade de granizo no mês de maio, estavam presentes e denunciaram o jogo de empurra do Incra para com as famílias assentadas que tiveram suas casas destruídas e que até hoje, 3 meses depois, só tiveram reunião com um técnico que mandou que reunissem documentos, laudos e nenhuma solução concreta foi apresentada.

A luta que os camponeses têm enfrentado na região com a política do velho Estado de jogar massas contra massas, utilizando o discurso de “povos tradicionais”, “vazanteiros”, “pesqueiros”, “remanescente de quilombolas” e “demarcação de territórios” foi denunciada pelos camponeses: “querem nos dividir para nos enfraquecer!”, e feito o chamado de unir todos para tomar as terras do latifúndio.

A denúncia da farsa das eleições, dos interesses que representam os políticos na região com suas trocas de legendas e a necessidade de desmascarar o papel do oportunismo foram reafirmadas pelos presentes e aprovada a realização da campanha de boicote às eleições.

O fortalecimento da nossa organização, da nossa propaganda, do trabalho em nossas áreas de atuação, a ampliação das tomadas de terra, realização do Encontro da Juventude Camponesa e a realização do 2º Encontro do Movimento Feminino Popular para o 1º dia do Congresso foram algumas das resoluções finais, que aprovou a plenária do 7º Congresso para os dias 13 e 14 de outubro na cidade de Manga.

A eleição da nova coordenação geral da Liga foi seguida pelo Juramento solene de todos os presentes, que ao final entoaram o Conquistar a terra, erguendo as bandeiras vermelhas, de forma a reafirmar as palavras de ordem: “Conquistar a terra. Destruir o latifúndio!” “É terra, é terra, pra quem nela trabalha! E viva agora e já a revolução agrária!”

LCP do Norte de Minas e Bahia
   
     
   
» Todo o conteúdo pode ser copiado e reproduzido desde que citada a fonte «