Defender a posse das famílias camponesas da Baixa Funda

Escrito por LCP do Norte de Minas e Bahia
Publicado em 16/12/2013
Categoria: Notícias

Mais de cem famílias camponesas, há mais de 16 anos, vivem, trabalham e produzem nas terras da Baixa Funda (Fazenda Marilândia).

Desde o final do mês de novembro do ano passado essas famílias, pela 11ª vez, resistem às tentativas do estado e da “justiça” de expulsá-los das terras que são suas por direito, por meio de mais uma covarde e absurda decisão de reintegração de posse.

Hoje, mesmo após a maior seca dos últimos cinquenta anos na região, os camponeses já plantaram seiscentos hectares de milho, feijão, abóbora, mandioca, melancia e outros mantimentos. Tem dezenas de casas de alvenarias. 

Através do Programa Cultivar da Petrobras, as famílias tem como meta plantar 100 hectares de mamona, já foram plantadas mais de 30 hectares!

A roça cresce e floresce está nascendo feijão, milho, mamona, abobora. O latifúndio está colocando o gado para comer o que já nasceu da roça dos camponeses para tentar nos esmorecer, mas não vai conseguir. São várias hectares gradeadas para novas plantações, graças à chuva que está firmando! Vamos plantar!

Corre o boato na cidade de que a liminar seria cumprida, mas, até o momento, as famílias não foram notificadas.

Os trabalhadores estão alarmados com a possibilidade de acontecer o mesmo que já ocorreu em outras ocasiões quando tiveram suas casas e plantações destruídas pela Policia Militar. E estão decididas a resistirem nas terras pelo direito de trabalhar, produzir e viver com dignidade.

 

Defender a posse das famílias camponesas da Baixa Funda é justo!

Conclamamos a todas as pessoas honestas e de bem, todos os movimentos, entidades e organizações que apoiam a luta pela terra a se posicionarem em favor das famílias da Baixa Funda.

Pois são 16 anos de luta, trabalho duro, vivendo com dignidade e respeito, cuidando de seus animais e criações, comercializando a produção das roça, galinhas e porcos,  no comercio de Manga e região.

A associação das famílias é membro CMDR – Conselho Municipal Desenvolvimento Rural de Manga, participando da vida da comunidade e sendo reconhecida por todos da cidade.

Em Audiência entre INCRA, Liga dos Camponeses Pobres do Norte de Minas e Bahia e representantes de Acampamentos e Projetos de Assentamento em Montes Claros, dia 1º de novembro de 2013, sobre Acampamento Baixa Funda – Fazenda Marilândia o INCRA manifestou que encaminhou a fazenda Marilândia para desapropriação por interesse social, que vai providenciar contato com proprietário para tentar negociação amigável.

No mês de dezembro de 2012 o deputado estadual Paulo Guedes (PT) realizou uma reunião em Manga com as famílias da Baixa Funda e se comprometeu a procurar o latifundiário Thales Dias Chaves e intermediar o processo de desapropriação das terras da Fazenda Marilândia junto ao INCRA. Agora está com um advogado junto com os camponeses para orientar estas famílias da Baixa Funda.

As famílias camponesas procuraram também o prefeito de Manga Anastácio Guedes que afirmou que faria o que estivesse em seu alcance para que as famílias permanecessem nas terras.

O frei Gilvander e um representante da Comunidade estão em Belo Horizonte denunciando o absurdo da ameaça e  buscando uma solução cabível.

Junte se a nós, pois lutamos por terra, pão, justiça e uma nova democracia.


 
Exigimos a construção da ponte que liga as cidades de Manga a Matias Cardoso.

A Construção da ponte sobre o Rio São Francisco entre as cidades de Manga e Matias Cardoso,beneficiará tanto cidades do norte de Minas como: Manga, Matias Cardoso, Montalvânia, Miravânia, Juvenília, Jaíba, São João das Missões, como também do sul da Bahia, visto a enorme população que utiliza dos serviços de educação e saúde na cidade pólo de Montes Claros.

A construção da ponte será um importante eixo de ligação com a BR 135, (trecho Manga à divisa com a Bahia), além de facilitar o tráfego de veículos que será aumentado devido à pavimentação da rodovia. Será também uma nova alternativa de rota para escoamento da produção do Projeto Jaíba para os portos do nordeste, contribuindo para o crescimento econômico de toda região.

Além do benefício econômico, temos ainda a possibilidade de fomentar o turismo da região devido à facilidade de acesso, além dos benefícios sociais da população que será atendida. A construção da ponte sobre o rio São Francisco representa a concretização do maior anseio da população da região.

Comitê de Apoio a Luta pela Terra em Manga

Liga dos Camponeses Pobres do Norte de Minas e Bahia

 

Manga, 06 de dezembro de 2013

   
     
   
» Todo o conteúdo pode ser copiado e reproduzido desde que citada a fonte «