Sentença do juiz Jorge Leal contra camponeses de Seringueiras é criminosa, patética e desmoraliza ainda mais o judiciário.

Escrito por Comissão Nacional das Ligas de Camponeses Pobres
Publicado em 18/08/2016
Categoria: Notícias

Com o zelo próprio de um serviçal do latifúndio, o Juiz Jorge Leal destila todo seu ódio contra os camponeses do acampamento Enilson Ribeiro, em Seringueiras. Em sentença liminar de reintegração de posseo “magistrado” determina que, além da Policia Militar, Policia Civil e da Força Nacional de Segurança, também o Exercito, a Policia Federal a Abin sejam utilizados para a remoção das famílias acampadas. Estas deveriam ser “exiladas” para no mínimo 300 quilômetros de distanciade Seringueiras. A sanguinária sentença ainda estabelece uma multa de mil reais por dia para cada camponês que permanecer lutando pela terra que é pública, conforme reconhece o INCRA. Usurpando atribuições que não lhe competem, o Juiz Jorge Leal proíbe que qualquer órgão público forneça alimentos, remédios ou outros gêneros de primeira necessidade para as mais de 100 famílias, homens, mulheres e crianças do Acampamento Enilson Ribeiro. Cabe ressaltar que estas famílias estão impedidas de circular nas estradas, seus filhos impedidos de ir à escola, e diariamente são atacadas por helicópteros das forças policiais que atiram nos acampados.

Desde 2008 o Juiz Jorge Leal persegue os camponeses. Naquele ano, quando a Fazenda Santa Elina já estava desapropriada para fins de reforma agrária e ocupada ilegalmente pelo latifúndio, esteJuiz determinou o uso do Exército contra os camponeses em favor do latifúndio. http://anovademocracia.com.br/no-44/1736-a-santa-elina-e-dos-camponeses

O mesmo posicionamento contra os camponeses atingidos pelas barragens este Juiz teve em 2013, em benefício de um grileiro de terrenos na cidade de Itapuã do Oeste. http://www.mabnacional.org.br/noticia/atingidos-ocupam-prefeitura-itapu-d-oeste-por-direito-moradia

Mas quando a assunto é defender interesses de políticos como o prefeito de Montenegro Júnior Miotto, conhecido na região como “prefeito ostentação” o posicionamento de Jorge leal é bem diferente. http://www.rondonoticias.com.br/noticia/justica/4685/decisao-liminar-prefeito-de-monte-negro-retorna-ao-cargo

O dito “prefeito ostentação” corta gastos com medicamentos, gasolina, telefone, diárias e até com o cafezinho dos servidores, mas gasta com farra em motéis e bebedeiras.http://www.anoticiamais.com.br/prefeito-ostentacao-de-rondonia-gastou-dinheiro-do-municipio-com-camisinhas-e-bebidas-alcoolicas/

Para tipos como esse o Juiz Jorge é “leal” para manter na posse da Prefeitura, mas contra as famílias camponesas que lutam por um pedaço de terra ele ordena toda a força e violência possível e impossível do Estado para expulsa-los da posse, com o objetivo de perpetuar os esquemas de grilagem de terras públicas.

Mas não pensem os incautos que esta é uma atitude desvairada de um reacionário de toga. O objetivo desta sentença é dar cobertura para o terror, a pistolagem, o assassinato de camponeses, a propaganda, a campanha orquestrada principalmente, mas não só, pela PM de Rondônia e pelo latifúndio, para levar a cabo, neste momento particular, um banho de sangue em Seringueiras. E mais: demonizar e criminalizar os camponeses, para tentar abafar a verdade que só ameaçou vir à tona com a inócua “operação mors” da Polícia Federal, que sequer triscou na estrutura paramilitar criminosa de policiais militares, latifundiários e pseudo jornalistas organizados em “esquadrões da morte” na região.

E a sentença de Jorge Leal contra os camponeses de Seringueiras já começa a apresentar os resultados que os que lhe “encomendaram” pretendiam.

Rodrigo Silva Rodrigues dono do site jarunoticias preso na Operação Mors recebe das mãos do comandante Enedy o diploma de amigo da políciaRodrigo Silva Rodrigues dono do site jarunoticias preso na Operação Mors recebe das mãos do comandante Enedy o diploma de amigo da políciaNo último sábado dia 13 de agosto de 2016, foi assassinado em Buritis o Presidente da OAB local Dr. Alceu Scoparo. A justificativa para o crime, com todas as características dos esquadrões da morte que teriam sido desmontados pela “operação mors”, foi a de que o Dr. Alceu atuava em “conflitos agrários”. Quem “noticiou” desta forma foi o site Rondoniavip, que exagerou tanto na sua “reportagem” tentando desqualificar o Dr. Alceu e justificar o seu assassinato que retirou a matéria do ar.

O Dr. Alceu era criminalista, não atuava em conflitos agrários. Como muitos de seus clientes eram pessoas simples, que lhe confiavam as causas por sua postura honesta, o Dr. Alceu se transformou em alvo dos esquadrões da morte, pois a defesa de seus clientes certamente levaria ao banco dos réus policiais militares e latifundiários. Pelo “critério” do Rondônia VIP, médicos, comerciantes, dentistas, professores, padres, pastores, agentes públicos, que tiverem relação com “conflitos agrários” poderiam e até deveriam ser assassinados. Isto em uma região onde o “conflito agrário” é regra, não exceção. Impossível constatar tal calamitosa realidade e não remeter à sentença do Juiz Jorge Leal.

E quem ver as recentes publicações de Rondônia VIP terá ainda mais claro a motivação desta “decisão” de Jorge Leal. Só no sábado, foram 3 matérias atacando a LCP e defendendo o banho de sangue em Seringueiras. Além dos links, vejam os títulos: matéria 1 : Ai do policial que encostar um dedo em alguém da LCP matéria 2 : Terror e medo: Helicóptero da Sesdec é novamente alvo de tiros em fazenda invadida pela LCP matéria 3: Movimento convoca população contra invasões da LCP na região de Seringueiras

Estas matérias de Rondoniavip são escritas pela PM de Rondônia. O “site” é só para dar cobertura. E nós já denunciamos o “modus operandi” destes sites em notas anteriores, mas não custa recordar: algum órgão do monopólio de imprensa ao nível nacional, como o G1, divulga a notícia aparentemente sem defender nenhum dos lados (quem conhece a realidade sabe que estão sendo omitidos policiais e latifundiários); e os sites do latifúndio e da polícia de Rondônia divulgam as mesmas notícias vomitando todo o seu ódio contra os camponeses. Quando estas notícias chegam às “autoridades”, certamente aparecem em primeiro lugar as divulgações da lavra da polícia e do latifúndio, e por último a “reportagem” que saiu no monopólio da imprensa ao nível nacional.

Assim, quem está de fora pensa uma coisa, mas a situação de quem está na região é completamente diferente.

Por fim, ressaltamos o que de fato ocorre na região. O site da polícia e do latifúndio Rondoniavip noticia que os latifundiários estão organizando um movimento, vão fechar estradas, etc. Com isso querem passar a falsa ideia de que a opinião pública na região é favorável ao latifúndio. A grande verdade é que só com um grande apoio popular estas famílias do Acampamento Enilson Ribeiro em Seringueiras conseguiriam resistir há tanto tempo ao cerco militar covarde do latifúndio e da polícia de Rondônia. Não, senhores, não são os falsos tiros no helicóptero da polícia divulgados por estes sites porcos que teriam sido disparados pelos camponeses (na última reportagem, já em uma linha de recuo, falam de tiros e rojões); não é o imaginário “armamento pesado” da LCP; não são guerrilheiros ou terroristas, que estão impedindo a ação violenta contra os camponeses. É o apoio das massas da região. É a certeza de que lutam por terras públicas roubadas pelo latifúndio. É a certeza de que lutam por justiça. É o apoio nacional e internacional que estas massas vêm recendo de todo canto.

Conclamamos todos a aumentar o protesto. A denunciar a sentença de Jorge Leal, e não tenhamos dúvida alguma de que, se o alvo são os camponeses, o Dr. Alceu foi sua primeira vítima. E que mobilizemos todas as atenções voltadas para o Brasil nestes dias de jogos olímpicos para mostrar o quanto camponeses, indígenas e quilombolas estão lutando destemidamente por suas terras e territórios.

Viva o acampamento Enilson Ribeiro em Seringueiras!

Abaixo a sentença de morte de Jorge Leal!


Comissão Nacional das Ligas de Camponeses Pobres

   
     
   
» Todo o conteúdo pode ser copiado e reproduzido desde que citada a fonte «