Camponês foi assassinado pela polícia militar de Ênedy e Confúcio Moura (PMDB)

Escrito por Resistência Camponesa
Publicado em 19/05/2017
Categoria: Notícias

Paulo Sérgio Bento Oliveira assassinado por policiaisPaulo Sérgio Bento Oliveira assassinado por policiaisNo dia 16 de maio, o camponês Paulo Sérgio Bento Oliveira foi assassinado por policiais da polícia militar, especificamente do GOE (Grupamento de Operações Especiais) da região.

Paulo Sérgio vivia no acampamento Fidel Castro 2, na região de Mirante da Serra/RO quando foi covardemente assassinado.

A polícia contou uma versão mentirosa para a morte de Paulo, alegando uma suposta “troca de tiro”, quando na verdade, segundo moradores da região ele foi perseguido, detido dentro do acampamento, espancado e em seguida executado.

Não é nenhuma novidade que a polícia de Rondônia serve aos interesses do latifúndio, e que atua de forma sistemática na repressão à luta pela terra, atuando das mais diversas e criminosas formas, desde as ameaças, perseguições, passando pelos despejos com destruição de lavouras e benfeitorias, prisões, torturas, até os assassinatos frequentes de camponeses pobres, em especial de suas lideranças. Esses assassinatos ocorrem tanto de forma direta como ocorreu agora, como também, na maioria das vezes, de forma encoberta onde policiais atuam como pistoleiros ou dão cobertura para bandos armados do latifúndio atuarem impunemente.

São muitos os exemplos, basta uma rápida pesquisa pelas nossas publicações para constatar as frequentes denúncias da atuação da polícia e de bandos armados a serviço do latifúndio. Veja o exemplo claro do foragido sargento Moisés, que atua comandando e organizando guaxebas em extensas áreas. Esse policial pistoleiro esteve envolvido no assassinato de vários jovens na fazenda Tucumã em janeiro de 2016, foi detido e teve a fuga facilitada pelos seus colegas de farda, e agora recentemente mais uma vez seu nome ganha destaque na covardia que foi a tortura e assassinatos de 9 camponeses em Colniza/MT em abril último.

Comandante Enedy entrega diploma de "amigo da PM" a Rodrigo Silva Rodrigues dono do site jarunoticias preso na Operação MorsComandante Enedy entrega diploma de "amigo da PM" a Rodrigo Silva Rodrigues dono do site jarunoticias preso na Operação MorsO próprio comandante da pm, Enedy Dias, conhecido perseguidor de pobres, em especial de camponeses, está envolvido até o pescoço com esses bandos armados a serviço do latifúndio, inclusive esses que foram denunciados tempos atrás na operação Mors da PF. Ênedy só chegou a ser comandante pela imposição de grupos poderosos (para defender seus interesses), mesmo tendo contra ele na época investigações da própria polícia apontando seu envolvimento com “grupos de extermínio” quando atuava no 7º BPM em Ariquemes.

Não é a toa que Rondônia, em relação a todo o país, tem ocupado há anos os primeiros postos na contabilidade da repressão e assassinatos de camponeses, anunciadas periodicamente pela CPT.

Então não venham com essa “estorinha” de “troca de tiro”, que é tão verdadeira como também é a versão de que, quando o sargento pistoleiro Moisés foi preso com um arsenal na fazenda Tucumã, conseguiu fugir dando um “pisão” no pé de um policial. Não zombem da nossa inteligência!

E os fatos são teimosos, no início desse ano, camponeses dessa mesma área (Fidel Castro 2), denunciaram, inclusive em vídeo a presença de policiais fazendo serviço de pistolagem para os fazendeiros da região.

Vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=m02qjU1wXUI

Matéria da LCP: http://resistenciacamponesa.com/noticias/904-crimes-do-latifundio-e-de-policiais-contra-camponeses-em-mirante-da-serra

Escreveram carta entregue ao vice-governador Daniel Pereira, denunciando a pistolagem da polícia, relatando as violações da pm especificamente do GOE (Leia a carta aqui).

Clique aqui para ler carta de moradores da área Fidel Castro 2 denunciando a pm, dias antes do assassinato de PauloClique aqui para ler carta de moradores da área Fidel Castro 2 denunciando a pm, dias antes do assassinato de PauloEssas e tantas outras denúncias foram feitas em reunião com a Ouvidoria Agrária Nacional, em Porto Velho/RO semana passada. Após essa reunião, persistem os crimes do velho Estado contra os camponeses.

No acampamento Monte das Oliveiras, a pm continua ameaçando as famílias, ameaçando que elas serão logo despejadas. Policiais militares, tomaram uma casa na entrada da área, montaram barreira e estão humilhando, intimidando, ameaçando e revistando os camponeses. Várias outras áreas antigas e novas tem passado por situações semelhantes.

No dia 15 desse mês Veronilson Cabral Roseira, que estava acampado no acampamento Terra Nossa 2 (fazenda Tucumã) teve sua casa invadida por dois elementos que o agrediram fisicamente. Veronilson estava na reunião de Porto Velho e participou de todos os debates que envolvia a sua área, inclusive também fez denúncia das ações da policia militar na área.

No dia seguinte camponeses da área Fidel Castro 2 relataram que policiais do GOE, entraram no acampamento reclamando e recriminando os camponeses pelas denúncias feitas na reunião com a Ouvidoria Agrária e disseram "que agora iriam sentir o peso da GOE". No mesmo dia assassinaram o camponês Paulo Sérgio Bento.

Camponeses da área e moradores da região movidos por justa revolta, fizeram uma manifestação em frente a delegacia de Mirante da Serra. No funeral do companheiro Paulo Sérgio, camponeses carregaram faixa com foto do camponês aos gritos de "Fora GOE! Queremos Justiça!"

Dias depois do assassinato, camponeses ocuparam um latifúndio da região a cerca de 12 km de Mirante da Serra e a terra conquistada receberá o nome de Paulo Sérgio Bento Oliveira.

   

Notícias relacionadas « » leia também:

Sem notícias relacionadas para exibir nessa página.


   
     
   
» Todo o conteúdo pode ser copiado e reproduzido desde que citada a fonte «